24/04/2018 _Storytelling: use a favor da sua empresa
Storytelling: use a favor da sua empresa

De tempos em tempos o marketing modifica suas estratégias para conversar melhor com o público. Agora, a bola da vez é o storytelling, uma maneira de contar histórias envolventes sem venda direta que vem sendo muito utilizada no mundo digital.

Nesta técnica, você não comercializa um produto ou serviço, mas estreita a relação com o consumidor final por meio de uma boa história. É a forma perfeita de compartilhar ideias, conhecimentos e demais interesses através de uma narrativa.

Quais são as etapas do storytelling?


 1 – Apresente o herói

 2 – Faça o desafio

 3 – Rejeitando o desafio

 4 – Buscando o caminho

 5 – Aceitando o desafio

 6 – Testando o herói

 7 – Virando a mesa


Vamos entender...

1 – Apresentação do herói

Marcelo Henrique é diretor regional de vendas da empresa XPTO, tem sob sua responsabilidade uma equipe formada por 4 supervisores, 19 vendedores e 6 promotores. Marcelo Henrique é um “workaholic” trabalha 12 a 13 horas por dia e isto lhe garante bater todas as metas, por outro lado, tem pouco tempo para a família e para o lazer, o que aos poucos vai minando sua saúde.


2 – O desafio

Em reunião com a diretoria da XPTO, Marcelo Henrique foi informado dos ousados investimentos que a empresa havia planejado, o que resultou em um elevado aumento de suas metas, sem possibilidade de aumentar a equipe.


3 – Rejeitando o desafio

Marcelo Henrique saiu da reunião muito preocupado. Ele já tinha observado que precisava fazer alguns ajustes na sua operação, mas, a informação das novas metas o deixou muito preocupado, pensando até que não seria capaz de conseguir atingir os objetivos da empresa.


4 – Buscando o caminho

Antes de tomar a decisão de desistir, Marcelo Henrique resolveu buscar uma solução para o seu problema. Pesquisou muito na Internet, leu inúmeras postagens em blogs especializados o que lhe trouxe novos e interessantes conhecimentos sobre seu próprio trabalho, fez dinâmica de grupo com sua equipe e, nada de relevante foi encontrado para ajudá-lo com seu desafio.

Por coincidência uma luz acendeu no fim do túnel. Um dia encontrou seu velho professor de planejamento estratégico e lhe apresentou seu desafio. O velho mestre parou, pensou um pouco e disse:

“As empresas são como as pessoas, são muito parecidas, mas, não existem duas exatamente iguais. Vou te apresentar um “case” com um problema muito parecido com o seu. Resta saber se as soluções que eles encontraram possam ser aplicadas ao seu caso.”

5 – Aceitando o desafio

Depois desta conversa e de tudo o que já tinha lido a respeito, Marcelo Henrique começou a se sentir seguro para tomar decisões mais ousadas e correr menos riscos para alcançar os objetivos da XPTO e resolveu aceitar o desafio proposto pela diretoria da empresa, agora com muito mais esperança de que daria certo.

6 – Testando o nosso herói

Marcelo Henrique, agora com mais conhecimento, observou que sua equipe de vendedores recebia “leads” em número suficiente para superar, e muito, as antigas metas, além do fato de não darem a atenção necessária aos prospects, que demoravam muito para serem convertidos em clientes por causa desta falta de dedicação e empenho dos vendedores. 

A cada avanço na solução do problema o nosso herói se deparava com um novo desafio. O próximo seria convencer sua equipe de que eles tinham nas próprias mãos as ferramentas necessárias para alcançar as novas metas da XPTO. Com o mesmo número de “leads” e a mesma equipe era possível atender as necessidades da empresa.

Não conseguir alcançar as novas metas não era uma opção do Marcelo Henrique, uma vez que isto implicaria em enormes prejuízos para o XPTO, além de representar um sério risco para o seu emprego.

Durante duas ou três semanas, Marcelo Henrique se dedicou integralmente à solução do seu problema e montou um plano detalhado de tudo o que deveria fazer para virar a mesa.

7 – Virando a mesa

Quando o marketing gera “leads”, isto implica em custos, que em algumas situações são bem consideráveis, portanto cada “lead” perdido é prejuízo certo. Marcelo Henrique então decidiu superar seus receios, reuniu sua equipe e lhes apresentou o desafio e como ele deveria ser superado. Apresentou uma palestra motivadora e por fim informou que só permaneceriam na empresa os vendedores que vestissem a camisa e se dedicassem com todo o empenho em melhorar muito os índices de conversão de “leads” em novos clientes e conseguissem atingir as novas metas da XPTO. 

Era uma vez...

Esta é uma história simples e resumida por razões obvias, mas, é um bom exemplo de uma narrativa própria de storytelling. Os leitores poderão perceber que em momento algum tentou se vender um produto ou serviço. Aliás na história não da nem para saber quais são os produtos ou serviços da XPTO, mas, a empresa será sempre lembrada.

Quer investir em storytelling? Venha conversar que a gente te explica um pouco mais sobre esta técnica. Fale com nossa equipe pelo telefone (47) 3028-8444 ou pelo email.

Voltar