21/08/2018 _Como o design thinking transformou a propaganda?
Como o design thinking transformou a propaganda?

Conta a história que a denominação Design Thinking teria surgido do raciocínio de um diretor de arte sobre o seu próximo trabalho e decidiu mudar os processos de criação na tentativa de obter melhores resultados. Começou deixando de lado os números e estatísticas, focando em valores conceituais obtidos junto ao próprio ambiente do problema e a diversos públicos, ligados direta ou indiretamente ao produto. 
Conversou com consumidores da categoria, com os varejistas, com a equipe de vendas, com o pessoal do marketing do cliente, com os operários, enfim, com algumas pessoas de cada um destes grupos e de outros que ele julgou importantes. Então juntou os conceitos obtidos com os números e só a partir daí iniciou o processo de criação.
O resultado foi tão bom, que outros setores da agência começaram a utilizar a nova metodologia, que rapidamente se espalhou, graças, principalmente, ao pessoal de tecnologia e do marketing digital.
Como a metodologia teria surgido durante um processo de criação, estendê-la à propaganda torna-se uma missão extremamente fácil e com enormes chances de se obter resultados muito mais favoráveis.

Design thinking no novo modelo de agência

Na propaganda, antes do Design Thinking os grandes projetos eram desenvolvidos a partir do banco de dados do cliente e dos resultados de pesquisas quantitativas e qualitativas. De posse do briefing e das demais informações, eram organizados brainstorms, que normalmente envolviam o pessoal de atendimento, de planejamento, de mídia e de criação, de onde resultava o conceito da campanha ou dois ou três layouts e/ou roteiros.
O que fez o Design Thinking? Organizou o processo e envolveu todos os atores direta ou indiretamente ligados no projeto, ou seja, consumidor em potencial, fornecedores de insumos, colaboradores da empresa (marketing, vendas, promoção e merchandising, administrativos e pessoal de operações), pessoal da agência de propaganda, eventualmente consultores e o ambiente. 
Vamos supor que o produto definido é um pré mix para tortas salgadas. Define-se o conceito do produto: quais serão seus principais atributos, a que público será dirigido, qual será o canal de distribuição e política de preços. 
A partir disto, a agência, usando o design thinking, vai criar opções de marcas para serem pesquisadas junto aos consumidores em potencial. Escolhida a marca, a agência passa a ter uma missão muito importante criar o label do novo produto (normalmente o formato e dimensões da embalagem é definido pela engenharia que considera principalmente a proteção do produto, a facilidade de manuseio pelo consumidor e de acomodação na caixa de embarque, além das exigências legais). Já o “label” além de, também, atender todas as exigências legais, o novo “label” tem que se destacar no ponto de venda, tem que ser facilmente identificado pelo consumidor e tem que ser muito bonito, sóbrio e atraente. O marketing “antigo” já fazia tudo isto, mas, com a aplicação do método Design Thinking, embora envolva muito mais pessoas, todo o processo flui de uma forma mais segura, mais criativa e em muitos casos em menos tempo do que no processo anterior.
Verifique se sua agência já está aplicando a nova metodologia do Design Thinking e tenha a certeza que seus consumidores terão seus anseios atendidos, mesmo que você não tenha gostado do que foi apresentado pela agência.



Importante: Se a agência de propaganda que atende a sua empresa é uma empresa séria, capacitada e preocupada com os resultados, certamente não vai criar uma peça ou uma campanha para te agradar. Ela estuda e planeja tudo para agradar aos seus consumidores. Até a escolha das cores usadas é estudada com o objetivo de gerar interesse de seus clientes. Antes de dizer: “Não gostei”, pergunte o por quê de cada coisa do projeto. Antes de dizer: “Mude isto, ou mude aquilo”, pergunte se a sua sugestão de mudança pode ser aplicada naquele projeto. Respeite os profissionais da sua agência, afinal eles estudaram e estudam muito para fazer o melhor trabalho para o seu negócio.

Pensando na solução

Por fim, conclui-se que Design Thinking não é uma metodologia e sim uma abordagem que busca a solução de problemas de forma coletiva e colaborativa, em uma perspectiva de empatia máxima com seus stakeholders (interessados). As pessoas são colocadas no centro de desenvolvimento do produto – não somente o consumidor final - mas todos os envolvidos na ideia (trabalhos em equipes multidisciplinares são comuns nesse conceito). 
Em resumo: o DT procura enxergar novos caminhos por meio da perspectiva do consumidor final. E sua empresa, está pronta para enxergar novos caminhos como se tivesse os olhos de seus clientes?  
Quer conversar sobre o assunto? Fale conosco pelo email completa@vouk.com.br. 

Voltar