20/03/2017 _Terceira Parte - Pesquisa de Mercado
Terceira Parte - Pesquisa de Mercado

FERRAMENTAS DE CONTROLE DE ERROS EM PESQUISAS

Dentre as fases de uma pesquisa, a que apresenta as maiores possibilidades de erros é a coleta de dados. Para reduzi-los ao mínimo, a equipe de entrevistadores recebe um treinamento para cada pesquisa. No final deste treinamento é feita uma entrevista simulada, com participação de todos os pesquisadores que participarão da coleta.

Além disto, pelo menos 20% das entrevistas são verificadas, através de uma nova visita aos entrevistados, quando são checados se os critérios de seleção dos entrevistados foram rigorosamente obedecidos, se o entrevistador realmente falou com o entrevistado, se ele realmente faz parte do “target” e se as respostas anotadas foram as que o entrevistado deu.

O supervisor de campo faz uma crítica (leitura detalhada) de cada entrevista e, se tiver erros manda o entrevistador voltar a falar com o entrevistado e fazer as devidas correções. Além disto, no sistema de processamento é montado um “check” de consistência. Este “check” funciona assim: na pergunta 1, as pessoas que responderem sim, não deverão responder a pergunta 2. O próprio sistema separa as entrevistas com problemas e elas voltam ao campo para que os ajustes sejam feitos.

Todos estes cuidados somados aos critérios rigorosos de desenvolvimento do questionário e ao método de seleção dos entrevistados (o entrevistador não pode ter qualquer tipo de influência na escolha dos entrevistados) nos dão segurança de que pelo menos na coleta o trabalho está sendo muito bem feito e com isto diminuindo os riscos de erro que possam interferir nos resultados.

No próximo “post” vamos continuar falando das ferramentas utilizadas para garantir confiabilidade nos resultados de uma pesquisa. Falaremos de seleção e dimensão amostral e dos critérios que os entrevistadores tem que seguir para selecionar os entrevistados exigidos pela pesquisa.

Por J. M. Macedo,
Diretor de Planejamento e Pesquisa de Mercado

Voltar